Leitores do Mundo ao Meu Redor

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Livro da menina

Já que a história é minha,
se eu quiser,
todo dia eu começo...
tudo de novo.

Sonhos de menina

É, Maurício, hoje meus sonhos são também feitos de esperança. E ninguém além de mim irá dizer de que será feito meu futuro.

(25.10.17)

24.10.17

As dicotomias são perigosas. Parece mas não dá pra dividir as coisas nem pessoas em dois e ponto final.

Vida longa, vida nova

Esse mundo tá mesmo barulhento
Tem hora que nem sei como aguento
Viver nessa sujeira que o mundo está ...
E aí logo me vem à cabeça
Que por mais que não se mereça
O bom dia pode chegar
Aprenda a contar sua história
E guardar na memória
Apenas o que te alegrar
Deixe cair no esquecimento
Tudo que te traz sofrimento
Coloque em prática um novo olhar
Eu me sinto piegas
Num mundo de pouca entrega
Mas não deixo de sonhar
Essa é a minha história
Vivo dias de glória
Porque assim decidi estar

(14 de outubro às 15:08)

Suspiros de Solidão

A vida às vezes é um punhado de cicatrizes, canções e cheiros. Às vezes um vazio que não sabemos preencher. Será pra sempre um mistério, que não pretendo entender.

(18.09.2017)

Notas sobre a inveja

Continuo a ouvir que há que ter cuidado ao revelar a felicidade por despertar inveja. Continuo a me permitir ser feliz na internet e fora dela independente do que isso causa no outro. Não posso controlar sua reação diante do que eu sinto. A alegria pertence ao mundo e não dá pra senti-la sem se expor.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

13.06.17

Minha mente é cheia.
Mesmo rodeada de silêncio,
mesmo com o corpo em movimento
Até quando paro e sinto o vento
Só pra mastigar o que não entendo.

Notas de menina

Só se pode perceber a necessidade do perdão no amor.

23.05.17

Nessa de me reencontrar
Me devolvo a mim mesma
Recolho meus cacos no chão
Reponho minhas certezas
Não entendo esse mundo
Que me parte em muitas
Preciso ser inteira
Preciso ser quem sou
No tanto que me sufocam
Parecem me encaixar em padrão
Eu assim desloco
Mais um pedaço meu no chão
Não segure minhas rimas
Elas têm seu próprio andar
Nada entendo de suas cismas
Só quero meu caminhar
E assim me liberto
Cada vez mais firmemente
Identifico o movimento
Só assim posso ir pra frente
Direção é o que importa
Mesmo me gritando 'velocidade'
Fique contigo e sua sugestão
Questão de seletividade
Posso ir até amanhã
Reinventando meu caminho
Tenho muito a dizer
Mesmo que seja sozinho

Notas de menina

Calçar seus sapatos por algum tempo
Sentir na pele o que te dói
Assim num movimento de reverência
Como se diminuísse o espaço entre nós
Em mim a transformação
Daquelas que esclarece a vista um dia embaçada
No peito a vontade de fortalecer
E apagar a lembrança de que fui enganada
Como se ensinassem mais o que não preciso aprender
Leio aquilo que não se diz
Recorto e reescrevo minhas dores, meus ais
Relato que sou mais um aprendiz
A vida e o tempo passam, eu sei
Memórias que ficam nem sempre leio outra vez
Não sei se caminho pra frente ou pra trás
Só sei que ficar parado é insensatez

Meu Livro

Imersa em defeitos me encontro
e me acho
Imperfeita e complexa...
Como se eu lesse um livro antigo
Empoeirado e meu


03.05.17

Caras da Menina

Tenho muitas caras e um só coração.

 Ter muitas caras não é ter várias personalidades. É ter várias emoções e permitir se expressar. O coração é um só, mesmo remendado, mesmo machucado, mesmo medicado.

Notas da menina

Prefiro narrações em primeira pessoa. É como se por alguns momentos a gente pudesse calçar outros sapatos e ver com olhos que não são nossos.

Versão da menina

Quando te colocam como o vilão da história você descobre que há sempre uma outra versão. E que a vida não se resume em quem foi o bom ou o ruim. Talvez se resuma em qual versão o leitor se identifica mais.